13/12/2021 às 17h52min - Atualizada em 14/12/2021 às 00h00min

Como diversificar a carteira com investimentos alternativos? Conheça 4 fintechs que auxiliam o investidor neste quesito

Tendências como open banking e Pix são ferramentas que tornaram o segmento mais competitivo e aquecido, o que acabou sendo superado pelo DNA inovador dessas empresas

SALA DA NOTÍCIA Redação
Foto: Divulgação

O ano de 2020 tornou-se um desafio para a economia brasileira, por conta do coronavírus. A fim de amenizar este cenário, o governo federal lançou linhas emergenciais de crédito, especialmente para desafogar as médias empresas. No caso das fintechs, tendências como open banking e Pix, por exemplo, são ferramentas que tornaram o segmento mais competitivo e aquecido, mas que acabam sendo superadas pelo DNA inovador dessas empresas que estão chegando ao mercado financeiro. 

Um levantamento feito pela 100 Open Startups, plataforma líder na conexão de empresas e startups, colocou em pauta o resultado deste cenário: atualmente, são 1085 fintechs cadastradas, até o momento, no programa de inovação aberta, frente a 813 fintechs do levantamento realizado em novembro de 2020.

Contribuindo para a democratização do acesso ao crédito, com a Bankme, fintech de que cria e opera mini bancos para empresas, os empreendimentos ganham autonomia para definir taxas e fazer suas próprias operações bancárias, como antecipação de recebíveis, empréstimos e financiamentos para toda sua cadeia produtiva. Isso porque, por meio da Bankme, as empresas passam a operar com o próprio capital de forma livre, criando as próprias taxas e lucrando fora do sistema bancário convencional, além de contarem com uma taxa de rentabilidade que gira em torno de 1,2% e 2,2% ao mês, dependendo do valor aplicado.

“Isso porque, passam a operar com o próprio capital de forma livre, criando as próprias taxas e lucrando fora do sistema bancário convencional. De modo geral, conquistam liberdade para rentabilizar seu capital, já que passam a contar com o seu próprio banco”, diz Thiago Eik, CEO da Bankme. 

Os investimentos coletivos no mercado imobiliário vêm crescendo no país e tornando-se uma ótima maneira de diversificar a carteira – durante a pandemia, a procura por plataformas especializadas neste tipo de investimento dobrou. A fim de fomentar esta modalidade, a INCO Investimentos, plataforma de investimentos coletivos que possibilita uma rentabilidade que pode chegar a 17,5% ao ano, surgiu com o objetivo de democratizar o acesso de investidores ao mercado imobiliário e desburocratizar processos de captação de recursos para as empresas do setor. 

“Vale frisar que a marca abre espaço para 'investidores comuns', ou seja, qualquer pessoa com alto ou baixo conhecimento sobre investimentos. Além disso, a plataforma permite que o aporte seja feito em menos de cinco minutos com muita clareza sobre o investimento: os usuários podem ver exatamente as expectativas de retorno e o prazo final”, diz Daniel Miari, cofundador da INCO Investimentos.

Como alternativa à tradicional renda fixa, que acompanha a taxa Selic, a Allugator Invest, braço financeiro da startup de assinatura de eletrônicos Allugator, permite que os investidores financiem a aquisição de smartphones disponíveis no site da Allugator. Os lotes oferecem uma rentabilidade entre 12% e 20% ao ano e até duas modalidades de pagamentos: Bullet e Juros Simples. “A plataforma oferece retornos que podem chegar aos 300% do CDI, o que atrai desde investidores conservadores até os mais arrojados, que buscam, inclusive, uma opção mais rentável, mas com a segurança que a renda variável não pode proporcionar”, afirma Cadu Guerra, CEO do Allugator.

Outra forma de investimento de médio e longo prazos é o consórcio. No mercado desde 2019, o UP Consórcios, fintech da Embracon, traz uma nova roupagem para o modelo de negócio: é 100% digital e não cobra nenhuma taxa até a contemplação da cota. Além disso, foi criado para atrair o público mais jovem (25 a 35 anos), que acredita que o consórcio seja um produto antiquado, do tempo dos seus avós. 

“Em um país onde o povo é carente de educação financeira, o sistema de consórcios faz esse papel, pois fomenta o planejamento, conscientiza sobre a importância de controlar as compras por impulso evitando o endividamento excessivo e, ainda, estimula a pessoa a somente assumir compromissos na aquisição de bens ou na contratação de serviços que estejam dentro da sua capacidade financeira”, explica Lorelay Lopes, head de Negócios do UP Consórcios.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tcheerechim.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp