02/08/2022 às 14h44min - Atualizada em 02/08/2022 às 16h00min

China condena visita de Nancy Pelosi à Taiwan e anuncia ações militares

Pequim afirma que viagem da deputada americana é uma 'infração severa' à sua soberania; militares chineses realizarão exercícios de tiro real e outras atividades em torno da ilha de 4 a 7 de agosto

Jovem Pan
https://jovempan.com.br/noticias/mundo/china-condena-visita-de-nancy-pelosi-a-taiwan-e-anuncia-acoes-militares.html

A China agiu rápido em resposta à visita de Nancy Pelosi, presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, à Taiwan e anunciou ações militares direcionadas. “O Exército de Libertação Popular está em alerta máximo e lançará uma série de ações militares direcionadas para combater isso”, disse o porta-voz do ministério da Defesa, Wu Qian, em um comunicado, acrescentando que vão “defender a soberania nacional e a integridade territorial e impedir a interferência externa e as tentativas separatistas de ‘independência de Taiwan'”. De acordo com a agência de notícia estatal Xinhua, os militares chineses realizarão exercícios de tiro real e outros exercícios em torno de Taiwan de 4 a 7 de agosto. A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, disse que é “difícil imaginar uma ação mais imprudente e provocadora” por parte dos EUA do que a visita de Pelosi. Ela também advertiu sobre a possibilidade de “consequências desastrosas se os Estados Unidos se equivocarem em seu julgamento” não apenas para Taiwan, mas para a “prosperidade e segurança do mundo inteiro”.

 

Desde que Pelosi anunciou que faria uma visita à Ásia, a China alertou que uma visita a Taiwan poderia resultar em sérias consequências, pois consideram o ato como uma provocação, uma vez que Pequim considera a ilha parte de seu território que deve ser reunificado, inclusive pela força se necessário. No final de julho, o presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente chinês, Xi Jinping, conversaram por videoconferência. Na ocasião, o chinês pediu ao líder americano para não “brincar com fogo” em relação ao “status” de Taiwan. Segundo a agência de notícias chinesa Xinhua, o presidente Xi disse a Biden que “aqueles que brincam com fogo acabam se queimando”, acrescentando que “espero que o lado americano entenda isso”. Em resposta, Biden respondeu que a “política dos EUA não mudou” e que o país “se opõem, energicamente, aos esforços unilaterais para mudar o ‘status quo’, ou minar a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan”. O Ministério das Relações Exteriores da China condenou veementemente a visita da deputada à ilha. Em um comunicado, declarou que a visita enviou “sinais errados” às forças separatistas que buscam a “independência de Taiwan”. O ministério acrescentou que apresentou representações solenes e protestos ao lado dos EUA.

Segue a íntegra do comunicado:

Em 2 de agosto, desconsiderando a forte oposição e as sérias representações da China, a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, visitou a região chinesa de Taiwan. Esta é uma violação grave do princípio de uma só China e das disposições dos três comunicados conjuntos China – EUA. Tem um impacto severo na base política das relações China – EUA e infringe seriamente a soberania e a integridade territorial da China. Isso prejudica gravemente a paz e a estabilidade em todo o Estreito de Taiwan e envia um sinal seriamente errado às forças separatistas para a “independência de Taiwan”. China opõe-se firmemente e condena-a com veemência, e fez sérias diligências e fortes protestos junto dos Estados Unidos. Existe apenas uma China no mundo, Taiwan é uma parte inalienável do território chinês, e o Governo da República Popular da China é o único governo legal que representa todo o país. Isso foi claramente reconhecido pela Resolução 2758 da Assembleia Geral das Nações Unidas de 1971. Desde a fundação da República Popular da China em 1949, 181 países estabeleceram relações diplomáticas com a China com base no princípio de uma só China. O princípio de uma só China é um consenso universal da comunidade internacional e uma norma básica nas relações internacionais.

Em 1979, os Estados Unidos assumiram um compromisso claro no Comunicado Conjunto China -EUA sobre o Estabelecimento de Relações Diplomáticas – “Os Estados Unidos da América reconhecem o Governo da República Popular da China como o único governo legal da China. Contexto, o povo dos Estados Unidos manterá relações culturais, comerciais e outras relações não oficiais com o povo de Taiwan”. O Congresso, como parte do governo dos EUA, é inerentemente obrigado a observar estritamente a política de uma só China do governo dos EUA e abster-se de ter qualquer intercâmbio oficial com a região chinesa de Taiwan. China opõe-se desde o início à visita a Taiwan por membros do Congresso dos EUA, e o poder executivo dos EUA tem a responsabilidade de impedir essa visita. Como a presidente Pelosi é a líder em exercício do Congresso dos EUA, sua visita e atividades em Taiwan, de qualquer forma e por qualquer motivo, é uma grande provocação política para atualizar os intercâmbios oficiais dos EUA com Taiwan. A China absolutamente não aceita isso, e o povo chinês absolutamente rejeita isso.

Taiwan é a questão mais importante e mais sensível no cerne das relações China -EUA. O Estreito de Taiwan está enfrentando uma nova rodada de tensões e desafios severos, e a causa fundamental são os repetidos movimentos das autoridades de Taiwan e dos Estados Unidos para mudar o status quo. As autoridades de Taiwan continuam buscando apoio dos EUA para sua agenda de independência. Eles se recusam a reconhecer o Consenso de 1992, fazem de tudo para impulsionar a “dessinicização” e promover “independência incremental”. Os Estados Unidos, por sua vez, vêm tentando usar Taiwan para conter a China . Constantemente distorce, obscurece e esvazia a única China princípio, intensifica seus intercâmbios oficiais com Taiwan e encoraja as atividades separatistas da “independência de Taiwan”. Esses movimentos, como brincar com fogo, são extremamente perigosos. Aqueles que brincam com fogo perecerão por ele.

A posição do governo e do povo chinês sobre a questão de Taiwan tem sido consistente. É o firme compromisso dos mais de 1,4 bilhão de chineses de salvaguardar resolutamente a soberania do Estado e a integridade territorial. É a aspiração comum e responsabilidade sagrada de todos os filhos e filhas chineses realizar a reunificação completa da pátria. A vontade do povo não deve ser desafiada, e a tendência dos tempos não pode ser revertida. Nenhum país, nenhuma força e nenhum indivíduo deve subestimar a firme determinação, a forte vontade e a grande capacidade do governo e do povo chinês para defender a soberania do Estado e a integridade territorial e alcançar a reunificação e o rejuvenescimento nacional. China tomará definitivamente todas as medidas necessárias para salvaguardar resolutamente a sua soberania e integridade territorial em resposta à visita do Presidente dos EUA. Todas as consequências daí decorrentes devem ser suportadas pelo lado norte-americano e pelas forças separatistas da “independência de Taiwan”.

*Com informações da AFP, Reuters e EFE



Fonte: https://jovempan.com.br/noticias/mundo/china-condena-visita-de-nancy-pelosi-a-taiwan-e-anuncia-acoes-militares.html
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp